sexta-feira, 20 de abril de 2018

Jogo da Memória VERSÍCULOS MISSIONÁRIOS - Baixe e imprima!



Olá, amigo de Missões! Elaboramos mais um pequeno recurso para lhe ajudar a aprender, ensinar e promover os valores missionários em sua família, grupo e igreja. Trata-se do jogo da memória Versículos Missionários.
Vamos explicar: Este jogo constitui-se de 32 cartas (que você deverá imprimir, recortar, dobrar e colar). Em DEZESSEIS dessas cartas apresentamos em um de seus versos VERSÍCULOS BÍBLICOS que fazem parte da base bíblica de missões. Nas outras DEZESSEIS cartas temos as REFERÊNCIAS (o livro da Bíblia, capítulo e versículo onde tal passagem se encontra). Isso torna este jogo um pouco diferente dos “jogos da memória” tradicionais: O objetivo aqui não é que a pessoa memorize uma figura ou texto apenas (se fosse assim utilizaríamos duas cartas com o mesmo versículo, para a pessoa encontrar as iguais); o objetivo aqui é que ela ASSOCIE determinada passagem bíblica à sua referência, podendo assim, de forma lúdica, memorizar tanto alguns versículos missionários quanto sua localização na Bíblia.
A forma de jogar é simples: Dispõem-se as cartas numa mesa ou superfície lisa, com os versículos e as referências voltados, claro, para baixo. Cada pessoa, na sua vez de jogar, poderá desvirar duas cartas, uma de "versículo" e outra de "referência"; se acertar versículo e referência, recolhe-as e joga novamente. Se errar, passa a vez para o próximo jogador, sem mover as cartas cuja combinação ela errou da posição original na mesa. Para que a pessoa não corra o risco de desvirar duas cartas de versículo, ou duas de referência, na FACE da carta onde consta o nome do jogo e o logotipo “Veredas”, está assinalado (no canto inferior direto) que carta é aquela: se REFERÊNCIA ou VERSÍCULO.
Apresentamos, junto ao arquivo com as cartas, estas instruções e a listagem com os dezesseis versículos e suas respectivas referências, para que o líder, caso tenha dúvidas, possa conferir se os participantes realmente acertaram.
Uma variação interessante é permitir que os participantes confiram, em suas próprias Bíblias, se a referência que desviraram é a correspondente ao versículo, caso não saibam ou não tenham certeza; assim podem certificar-se de que tal referência é ou não a correta, ao mesmo tempo em que “gasta-se” mais tempo em pesquisa bíblica, o que é sempre proveitoso.
Algumas dicas interessantes para aumentar a durabilidade das cartas: Imprimir em papel cartão, ou qualquer outro de maior gramatura (mais grosso) que o sulfite normal. Pode-se ainda colar as folhas numa cartolina para depois recortar, dobrar e colar.
Este é um jogo simples, que pode ser utilizado por crianças, jovens e adultos, e de baixíssimo custo (a impressão em preto e branco de 10 páginas, já contando com a folha de instruções e versículos). Por isso lhe convidamos a compartilhar este arquivo, e também a imprimir/xerocar quantas cópias puder e distribuir para igrejas, classes de escola dominical e mesmo famílias cristãs.

PARA BAIXAR O ARQUIVO DO JOGO (em PDF) PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.


sábado, 14 de abril de 2018

Se Não Eu, Quem? Se Não Agora, Quando? Missões na Europa - Livro do missionário Alex Marques para download


O missionário Alex Marques serve junto à sua família como plantadores de igrejas na região sul de Portugal.
Neste livro, Alex apresenta parte de seu testemunho e desenvolve uma oportuna reflexão sobre o chamado missionário e outras questões e urgências da obra missionária. Enfatizando a realidade do continente europeu, o autor conclama por voluntários (indo ou segurando as cordas) para tal campo de grande carência (Portugal, por exemplo, possui apenas 1% de evangélicos). Ao final do livro, o autor apresenta ainda uma rica coletânea de frases edificantes, sobre variados temas cristãos. 
Uma leitura benéfica e prazerosa, neste livro que foi graciosamente disponibilizado pelo autor.

PARA BAIXAR O LIVRO PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.

Acesse também o site do autor: https://alexmarques.jimdo.com

domingo, 8 de abril de 2018

Barão Justinian von Weltz, pioneiro promotor, missionário e mártir de missões mundiais



Há poucos que sabem alguma coisa sobre o profundo contributo que o barão Justinian von Welz (ou Weltz) realizou para missões mundiais. Ele nasceu 100 anos antes que suas ideias e propostas pudessem ser apreciadas e aceitas.
Welz, filho da nobreza austríaca, nasceu em 1621 em uma família luterana em um país dominado pelos católicos. Por causa da grave perseguição católica durante a Guerra dos Trinta Anos, sua família migrou para a Alemanha luterana. Seus dias escolares foram gastos na Holanda. Com cerca de 20 anos, ele voltou para sua casa na Alemanha e escreveu vários tratados sobre vários assuntos, os mais antigos sobre reforma política e justiça social.
A partir dos 20 anos de idade até aos 40 anos, ele levou uma vida de perdição, mas, no final desse período, começou a ler a Bíblia e os textos da doutrina ortodoxa luterana, se arrependeu de seus pecados e foi genuinamente convertido. Ele avidamente leu as Escrituras e a história da igreja, particularmente a dos mártires.
Então, aos 40 anos, seus valores e objetivos foram completamente alterados pela experiência da conversão, e ele estava pronto para emergir de um período de isolamento. Ele acreditava e praticava o esteticismo e vivia uma vida de separação do mundo e dedicação àquilo que glorificaria a Deus. Ele chamou seus contemporâneos para o autoexame e a conversão. Com os hábitos caros de comida, vestimentas e entretenimento, ele aconselhou que as pessoas deveriam ter mentalidade séria e viver uma vida separada do mundo como peregrinos e forasteiros. Ele evitou tanto quanto possível a sociedade mundana. Ele ensinou e meditou sobre o que ele chamou de quatro últimas coisas, ou seja:
A certeza de se aproximar da morte;
O último julgamento;
A dor e o sofrimento dos condenados;
A glória e o privilégio dos eleitos.
Ele propôs a formação de uma organização chamada "Jesus Loving Society". Ele pediu que os candidatos para o ministério saíssem e pregassem aos pagãos em vez de se sentarem vagarosamente enquanto esperavam um chamado. A sua visão, mesmo àquela época, era uma visão global, e ele sentia a responsabilidade por uma evangelização global.
Naquele momento particular na Igreja Luterana, a Grande Comissão era ensinada como territorial, não universal, e muitas vezes era realizada por métodos políticos e não espirituais. Pensando que os pagãos já rejeitaram o Evangelho no passado e que os esforços para evangelizar devem ser locais e não globais, alguns teólogos realmente ensinaram que era errado levar o Evangelho aos pagãos.
Welz sentiu que as escolas de formação de missionários deveriam ser instaladas nas universidades e estudantes formados em linguagem, religiões mundiais e outros temas relacionados às missões. Quando isso não foi feito, ele depositou 12.000 thalers alemães de seus próprios recursos pessoais em dois bancos diferentes para esse propósito. Um amigo contribuiu com uma soma de dinheiro semelhante. Ele sentiu que essas escolas de treinamento deveriam fornecer orientação pré-campo. Ele também sentiu que havia uma grande indiferença espiritual e defendia a renovação espiritual em casa e a pregação do Evangelho no exterior. Suas ideias, no entanto, não foram aceitas.
Ele escreveu uma série de tratados (folhetos) que propugnavam suas ideias e repreendiam a fria e indiferente ortodoxia legal da Igreja Luterana. A Jesus Loving Society, que Welz propôs, deveria ser composta por três grupos:
Os promotores - patronos e patrocinadores ricos;
Os diretores e secretários da missão de tempo integral;
Os voluntários missionários - jovens homens solteiros que se voluntariariam por dois ou três anos.
Antes de partir para o campo, eles deveriam estudar geografia, história da igreja e biografias de missionários anteriores, viagens de Paulo, evangelismo e línguas orientais. Uma vez no campo, os voluntários estudam costumes e religiões locais, aprendem a língua vernácula, traduzem porções da Bíblia e enviam relatórios regulares para os apoiadores da casa.
Welz, em sua Jesus Loving Society, revela algumas de suas ideias mais profundas e especialmente seus pensamentos sobre a oração - a única atividade que ele considerou mais essencial e que deve prevalecer sobre todas as outras atividades. Ele também afirmou que os missionários devem se contentar com o que Deus fornece. Ele fez as perguntas: "É certo que os cristãos mantenham o Evangelho para si mesmos, em vez de compartilhá-lo com os outros? É certo para tantos estudantes de teologia sentar-se esperando compromissos adequados ou talvez se tornar professores de escolas em vez de se aventurarem a pregar aos pagãos? É certo para os cristãos gastar tanto dinheiro em divertimentos, caros hábitos de comida e vestuário, e não dar seus pensamentos ou dinheiro para a divulgação do Evangelho?" A ortodoxia morta da igreja de Welz considerou sua proposta impraticável. Na realidade, alguns dos líderes achavam que eram ideias satânicas; e porque a liderança da Igreja Luterana adotou tal posição, suas ideias não foram aceitas.
Malsucedido em outros interesses, Welz finalmente decidiu que ele mesmo deveria ir; e ele convenceu um amigo a ordená-lo como "Apóstolo dos pagãos". Ele renunciou à sua herança e seu título de nobreza e navegou para o Suriname, América do Sul, em 1666. Na primavera de 1668 foi relatado de forma confiável que ele estava morto - um mártir de sua própria causa.
Assim morreu Justin von Welz, solitário e abandonado, um sacrifício para o seu próprio e auto-eleito chamado, um modelo esclarecedor para todos os tempos de coragem fiel e prontidão alegre para dar-se a todos, até a própria vida, por causa de Cristo.
Não há registro existente de seu ministério no Suriname; mas, tanto quanto se sabe, ele não ganhou um único convertido e uma igreja não foi plantada. Alguns relataram que ele foi morto por bestas selvagens, mas o fato mais provável é que ele tenha morrido de malária.
Mais tarde no mesmo século, em 1694, havia na Universidade de Halle uma divisão de treinamento missionário que acompanhava muito os princípios e propostas apresentados por Welz e sua Jesus Loving Society. Em 1732, os moravianos enviaram seus primeiros missionários para o Caribe. Um dos primeiros campos deles foi o Suriname, onde Welz morreu. Alguns historiadores modernos de missões acreditam que Welz influenciou muito William Carey, que estabeleceu uma Sociedade de Missão Batista em 1792.
Então a vida de Welz foi de rejeição. Ele era um homem nascido muito cedo, “à frente de seu tempo”; mas suas ideias foram, dentro de um século, implementadas e continuadas até o presente. Sua Jesus Loving Society soa muito como uma moderna sociedade missionária do século XXI. Welz é uma espécie de figura fundamental na história das missões protestantes. Ele ocupa um lugar simbólico de grande respeito como um precursor de coisas maiores que viriam. O ensino ortodoxo dos teólogos luteranos de sua época foi que o chamado apostólico ao ide havia terminado com a morte dos apóstolos. Para Welz, a Grande Comissão continuou a ter perfeita validade. Ele argumentou que a obrigação missionária era permanente e contínua.
Welz era um homem que, através do estudo da Palavra de Deus, havia captado uma ampla visão do evangelismo mundial em uma época em que tal mentalidade era considerada muito cara e mesmo impraticável. O mundo não estava pronto para o seu ensino. Ele realmente foi condenado como um agente de Satanás por sua defesa sincera de missões mundiais. Ele morreu um mártir por sua própria causa. Ele renunciou à sua nobreza, sua riqueza, sua casa e sua vida para realizar a Grande Comissão. Onde estão aqueles que estão dispostos a ser tão abnegados quanto Justinian von Welz?

Traduzido por Sammis Reachers / Veredas Missionárias, a partir de original em GFA Missions.

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Eventos missionários acontecendo pelo Brasil e o mundo

CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR

Caicó - RN


Rio de Janeiro - RJ
AGORA - Conferência/Treinamento Missionário promovido pela CRU Cruzade. - https://www.agora2018.com/


Manaus -AM



Campo 9 - Paraguai






Impacto missionário em Geminiano - PIhttp://somossolidarius.com.br/avanco



Rio de Janeiro - RJ



Impactos missionários na Bahia e na Bolívia



Impacto missionário em Campo Alegre do Fidalgo - PIhttp://expedicaomissionaria.org/


Diversas ações e datas (a maioria acontecendo em SP)

sábado, 31 de março de 2018

Os benefícios de fazer Missões de curto prazo



Os benefícios de fazer Missões de curto prazo

Benefício 1: O serviço missionário beneficia a própria pessoa que decide ir.
Amplia sua perspectiva mundial no que diz respeito aos problemas e necessidades.
Dá a oportunidade de testar a si mesmo e a sua capacidade de servir e se adaptar.
Ajuda a perceber os benefícios advindos do cuidado das necessidades espirituais e materiais dos outros.

Benefício 2: O serviço missionário beneficia as pessoas que recebem o missionário.
Elas conseguem ver o cuidado e interesse dos missionários.
Obtêm nova perspectiva de seu mundo e do mundo exterior.
Recebem auxílio espiritual e/ou material.

Benefício 3: O serviço missionário beneficia aquele que envia.
Ocorrem experiências de fé prática compartilhadas na igreja local.
Ocorre maior dedicação à missão e à igreja.
Aumenta em grande medida o potencial para a missão futura na igreja local e no exterior.
Há uma nova visão do que a igreja pode e deve fazer.
É formado um corpo de missionários experientes disponíveis para realizar mais serviços de curto prazo ou para serem missionários de tempo integral.

Extraído de Passaporte para a Missão.

quinta-feira, 22 de março de 2018

Livro DINÂMICAS MISSIONÁRIAS para download: Dinâmicas e quebra-gelos para promover a visão missionária em sua igreja, grupo e família


      Dinâmicas e quebra-gelos para promover a visão missionária em sua igreja, grupo e família.
    Do termo grego dynamis (ou dunamis), que significa “força” ou “poder”, derivamos, dentre outras, a nossa palavra dinâmica.
      O surgimento das chamadas dinâmicas de grupo deu-se em 1914, através do trabalho do cientista comportamental alemão Kurt Lewin.
      As dinâmicas têm sido usadas com sucesso como método geral de auto-conhecimento e interação entre grupos (daí o título de uma de suas variantes, “quebra-gelo”), no treinamento de equipes, atividade pedagógica complementar por profissionais do ensino e ainda em processos de recrutamento e seleção profissional.
      Além de promover uma maior comunhão e interação entre seu grupo, as dinâmicas são excelentes instrumentos de aprendizagem, tanto de conhecimentos quanto de valores morais, além, é claro, do valor lúdico proporcionado pelo clima de brincadeira ou diversão inerentes ao método.
      Procurei neste pequeno livro reunir uma série de dinâmicas e atividades focadas na promoção de valores missionários; atividades que visam o despertamento dos participantes sobre diversos aspectos referentes àquela que é a missão fundamental da igreja na Terra, e motivo único dela, a Igreja, permanecer aqui: Levar o Evangelho de Cristo a todos os homens, cumprir a ordem final de Cristo que conhecemos como a Grande Comissão: “E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos. Amém!” (Mt 28:18-20).
      Esta obra reúne textos de diversos autores, aqui diretamente transcritos, assim como textos que escrevi, e outros, a grande maioria, que adaptei, ou seja: valendo-me de uma dinâmica já existente, voltada para outra temática, adaptei-a mudando seu foco para o objetivo aqui proposto. No entanto, nada impede que você, fazendo o movimento oposto, adapte tais dinâmicas para outros propósitos conforme as suas necessidades.
      Este é um livro GRATUITO, que se insere no escopo de outros livros e recursos abarcando gêneros variados (teatro, poesia, frases, jogos e passatempos, imagens etc.) que temos produzido ao longo dos anos para auxiliar a Igreja em seu despertamento evangelístico e missionário. Solicitamos que você compartilhe este recurso (sempre gratuitamente) com outros cristãos, igrejas e órgãos cristãos de seu conhecimento, para que muitos sejam abençoados.

Sammis Reachers

PARA BAIXAR O LIVRO (FORMATO PDF) PELO SITE GOOGLE DRIVE, CLIQUE AQUI.

Caso não consiga realizar o download, solicite o envio por e-mail, escrevendo para:  sreachers@gmail.com

sexta-feira, 16 de março de 2018

Dinâmica de Missões: Recursos para a Missão


Dinâmica: Recursos para a Missão

Objetivos: Promover a elaboração e o debate de ideias; esclarecer e motivar o grupo sobre a necessidade de fazer a obra com os recursos disponíveis.
Materiais: Folhas A4, canetas ou lápis.

Após reunir o grupo, o líder proporá a seguinte questão: Imagine que você recebeu de um doador milionário, a quantia de cinco milhões de reais, com a seguinte condição: tais recursos deverão ser totalmente gastos para ajudar na expansão do evangelho pelo mundo. Pois bem: Agora, de posse de tal formidável quantia, você deve, individualmente, eleger uma única ação em que investir este dinheiro. Sustento de missionários, criação de um curso de missões, impressão e distribuição de Bíblias em um país carente da mesma, ou o que sua imaginação sugerir. Lembrem-se: todo o recurso deverá ir apenas para uma única iniciativa, a qual você escreverá na folha que recebeu, sem comentar ou debater nada com os outros participantes.
Após todos executarem a tarefa, o líder dirá que, infelizmente, o recursos que seriam de cinco milhões para cada indivíduo do grupo foram reduzidos a cinco milhões para todo o grupo. Mas ainda vale a regra: apenas um único uso deverá ser escolhido para o dinheiro.
Os membros do grupo deverão então expor as ideias que tiverem escrito em suas folhas, debater e escolher apenas uma das propostas apresentadas, a qual será realizada.
Após isso, o líder esclarecerá que, como todos sabem, trata-se apenas de uma brincadeira e que, embora Deus seja realmente senhor do ouro e da prata, como muitos gostam de lembrar (até com certo exagero), o grupo precisa fazer a obra missionária com os recursos que possui. Pois o principal recurso Deus já providenciou e está presente: Pessoas cristãs, agentes e embaixadores de Deus na terra. E a principal ferramenta Deus já depositou nas mãos de todos: A oração.

O líder poderá complementar a mensagem citando e contextualizando passagens onde Deus diminuiu significativamente a quantidade de trabalhadores (recursos?) e fez a obra, como na história dos 300 de Gideão (Jz 7:1-25); de como multiplicou milagrosamente recursos onde havia o mínimo - o azeite na botija da viúva (2Rs 4:1-7); e principalmente como Deus demonstra sua ação através de um homem sem recursos financeiros: Pedro e a cura do coxo em Jerusalém (At 3:1-10).


Sammis Reachers

sábado, 10 de março de 2018

EVANGELIZAÇÃO: MISSÃO DA IGREJA, NECESSIDADE DO MUNDO


O evangelho é a mensagem do Deus santo a homens pecadores. É a mensagem do céu de luz aos que na terra estão mergulhados em trevas. É a mensagem que alcançou os perdidos, transformou-os e por eles é transmitida ao mundo. A evangelização é uma tarefa gloriosa que aos anjos não foi outorgada. É uma missão que somente à igreja foi confiada. Nenhuma entidade humana pode desempenhá-la. Nenhuma outra mensagem pode substitui-la. Ao mesmo tempo que é tarefa exclusiva da igreja é necessidade absoluta do mundo. A salvação só é possível por meio de Cristo, o conteúdo do evangelho. Diante desses pressupostos, três verdades devem ser aqui enfatizadas:
Em primeiro lugar, a evangelização é uma tarefa imperativa. Há cinco mandamentos expressos para a pregação, o ensino e o testemunho do evangelho dados diretamente por Cristo. Essa ordem é dada em todos os evangelhos e também no livro de Atos. A grande comissão, dada pela autoridade máxima do universo, exige obediência imediata da igreja. Todo o universo ouve a voz de Cristo e obedece-a prontamente. A igreja não pode desafiar o soberano Senhor do universo nem desobedecer o seu mandato. Jesus comissionou seus discípulos a ir por todo o mundo, pregar o evangelho a toda a criatura, fazer discípulos de todas as nações, até aos confins da terra. Nosso papel não é questionar essa ordem nem mudar a mensagem. Cabe-nos obedecer e cumprir nossa missão prontamente, imediatamente e fielmente.
Em segundo lugar, a evangelização é uma tarefa intransferível. A ordem de levar a boa nova do evangelho a toda criatura em todas as nações não foi dada aos anjos, mas à igreja. Nenhuma outra instituição tem essa incumbência; nenhum outra agência humana tem essa competência; somente a igreja recebeu esse desiderato e tem essa autoridade. A igreja é o método de Deus para alcançar o mundo e não há outro. Se nos omitirmos, seremos tidos como culpados. Todo alcançado é um enviado. Todo crente é um missionário. Toda a igreja é uma agência evangelizadora. A igreja só tem duas opções: é um corpo missionário ou um campo missionário; evangeliza ou precisa ser evangelizada. Lamentavelmente, a vasta maioria daqueles que foram chamados pelo evangelho, calam a sua voz e não o proclamam. Acovardam-se e sonegam ao mundo a única mensagem que pode trazer esperança e salvação aos pecadores.
Em terceiro lugar, a evangelização é uma tarefa impostergável. A mensagem do evangelho não pode ser adiada. Hoje é o dia da salvação. Deixar para amanhã pode ser tarde demais. Não há tragédia maior do que o ímpio morrer na sua impiedade. Não há ingratidão mais profunda do que alguém que encontrou o pão da vida sonegar aos famintos essa boa nova. Não há insensibilidade maior do que alguém que foi perdoado e salvo pela graça, calar a sua voz e deixar perecer aqueles que estão indo para a condenação. A evangelização não é apenas a mensagem mais importante, mas também, é a mensagem mais urgente. Pregar o evangelho, portanto, não é uma opção, mas um mandamento. Não é uma responsabilidade para ser transferida para outrem, mas para ser cumprida sem detença por nós. Não é um trabalho que pode ser deixado para depois, mas uma obra a ser realizada hoje. Cristo morreu e comprou com o seu sangue aqueles que procedem de todas as etnias da terra e o nosso papel é ir a eles, enquanto é tempo, anunciando-lhes a salvação pela graça. Oh, que Deus levante a igreja e desperte seus membros, a fim de irmos por toda a parte, contando à nossa cidade, ao nosso Estado, à nossa nação e todas as nações da terra a melhor notícia, a notícia de que Cristo morreu pelos nossos pecados e ressuscitou para a nossa justificação. Que estejamos atentos à verdade insofismável de que a evangelização é missão da igreja e necessidade do mundo.
Rev. Hernandes Dias Lopes

domingo, 4 de março de 2018

Afinal, você sabe quem são os povos não alcançados?


“Povos Não-Alcançados” é um termo que começou a ser usado com mais intensidade na Missiologia moderna na última parte do século 20. É uma referência para designar povos, nações ou áreas geográficas do mundo com pouca densidade ou influência cristã e evangélica. Em outras palavras, são áreas do mundo que compreendem povos, idiomas, culturas e tradições, onde o Evangelho ainda não chegou e a Igreja não existe. Estes grupos humanos e etnias são chamados de povos não-alcançados. Portanto, o Natal e a Páscoa não são celebrados porque discípulos não comunicaram o Evangelho entre eles. Clamam pelo envio de missionários biblicamente treinados e devidamente contextualizados, a fim de que a Igreja e a esperança em Cristo se tornem uma realidade no meio deles. Esse é o plano de Cristo conforme Mateus 24.14 e Atos 1.8.

Povos não-alcançados – um desafio

Segundo pesquisas apresentadas por especialistas no Congresso de Lausanne, realizado em 1974, na Suíça, um marco extraordinário do cristianismo mundial, naquela época, eram cerca de 16 mil povos do mundo ainda sem nenhum contato com o Evangelho. A evangelização se intensificou a partir de então e em Lausanne II, em 1989, em Manila, nas Filipinas, o número de povos não-alcançados caiu para 8 mil. Segundo a Missiologia atual, hoje existem pouco mais de 2.200 grupos étnicos sem a presença cristã e cerca de 4 mil povos sem uma evangelização forte para alcançar a sua própria etnia. Estes clamam pela ação missionária do discípulo de Cristo e da Igreja. Jesus mandou fazer discípulos de todas as nações. As etnias são mosaicos da criação de Deus e não uma anomalia do plano de Deus.
Oswald Smith, um grande estudioso de missões, no início do século 20 foi pastor da Igreja dos Povos em Toronto, no Canadá. Sua igreja sustentou mais de 300 missionários no mundo. Ele conta, em um dos seus livros, uma história interessante. Suponha, diz ele, que você tenha convidado muitas pessoas para a sua festa de aniversário. A alegria é intensa entre os presentes.
Chegou a hora de cortar o bolo. Os pedaços do bolo são colocados nas bandejas e os garçons começam a distribuí-los. As pessoas que estão na frente comem o primeiro pedaço e, também, o segundo pedaço. Alguns até três pedaços. Suponha que o bolo acabe. As pessoas do meio e de trás nem sequer experimentaram um pedacinho. Ninguém se preocupou em distribuir para todos primeiramente. Imagine que você é o aniversariante. Estaria contente? É justo? Assim, da mesma forma, há pessoas que ouvem o evangelho uma, duas ou mais vezes. Há outras, porém, que nem sequer ouviram uma só vez. É justo? Existem povos e regiões do mundo assim.
Uma outra expressão muito usada, chamando a atenção da Igreja para maior mobilização em oração e ação missionária, é a Janela 10/40. É uma referência ao mundo budista, hinduísta e islâmico com pouca ou nenhuma presença cristã. São autênticos “cinturões” de resistência. E o desafio muçulmano naquela região é gigantesco. São cerca de 42 países de maioria islâmica localizados no Oriente Médio, Norte da África e Sul da Ásia. Na Europa ocidental existem mais de 15 milhões de muçulmanos e a maioria é não-alcançada. Sim, eles também precisam da graça do Pai!

Povos não-alcançados – uma prioridade

O livro de Romanos pode ser considerado um tratado missionário. É o livro que contém os pressupostos bíblicos e missionários de Paulo. Ele queria deixar o Oriente e levar o Reino de Deus ao Ocidente (Rm 15.23-24). Sua estratégia para concretizar este objetivo envolvia a igreja em Roma. Como era a capital do Império à época, portanto, um lugar estratégico, Roma era o centro do mundo cultural e político. Paulo percebeu que a igreja poderia ser um centro de apoio muito importante para o avanço do Reino no Ocidente. Ele fez uma exposição teológica do plano e missão de Deus a fim de conseguir o envolvimento missionário da igreja. Após essa elaboração, Paulo fala de suas intenções missionárias. Seu ministério no Oriente terminara (15.17-23) e o alvo agora era a Península Ibérica (15.24). Tencionava passar pela igreja em Roma, ter momentos de comunhão e edificação com ela e, também, desafiá-la para o envolvimento na extensão do Reino de Deus. Naquela altura, a Espanha era a região mais recôndita do mundo.
Paulo declara aos crentes de Roma, então, que sua presença não era mais necessária (Rm 15.23). Porém, o pano de fundo dessa afirmação era o objetivo que ele tinha em mente: evangelizar grupos étnicos sem a presença cristã (Rm 15.20-21). Apesar de ainda haver necessidade da pregação do Evangelho para alcançar mais pessoas, de organizar mais igrejas e de preparar mais discípulos em Roma, Paulo prioriza missões em áreas não-alcançadas, isto é, anunciar as Boas-novas onde Cristo não houvera sido anunciado.
Em Romanos 1.16-17 Paulo apresenta a definição do Evangelho, sua natureza e universalidade. A mensagem é para todos: judeus, gregos, bárbaros, sábios e ignorantes, e a salvação é para “todo aquele que crê”. No capítulo 10.14-15, ele é mais enfático quando pergunta: “Como crerão naquele de quem não ouviram falar?”. Em Romanos 3.21-31 afirma que apenas a fé em Cristo pode salvar o homem do pecado. Deus revelou a sua justiça “pela fé em Jesus Cristo para todos os que creem” (3.22). Note-se que a justiça vem de Deus e é para “os que creem”. Entende-se “justiça” aqui não como a natureza de Deus, nem a qualidade moral do ser humano, mas o meio divino para a salvação do homem (3.25).
Já que a consciência, a natureza (gentios) e a lei (judeus) se tornaram impotentes para salvar o homem, o único meio possível no plano divino é pela fé em Cristo. Como o ser humano pode responder sem ouvir? Não há nenhuma possibilidade de salvação sem o Evangelho. O caminho de Deus para a salvação chegou até nós pela revelação e precisa ser anunciada (Rm 10.8-17, 16.25-26).

O que isso tem a ver com você e sua igreja?

O livro de Romanos demonstra como teologia e missão, fé e vida, convicção e missão andavam juntas em Paulo. Por isso, a Espanha precisava ser evangelizada (Rm 16.25-27). O apóstolo tinha uma consciência clara e profunda de história e de seu tempo, acerca da hora e do lugar onde começar, fronteiras a conquistar e filosofia a nortear o ministério. O capítulo 15.19 fala sobre a hora, o lugar e as fronteiras a conquistar. Em Romanos 15.20-21, Paulo testifica da filosofia que norteava o seu ministério e sua vida. Tinha prazos para sair (vs. 23 e 24). As expressões “Passa a Macedônia e ajuda-nos” e “confins da terra” dão-nos várias implicações missionárias para a Igreja no século 21. Quais as áreas não evangelizadas e não alcançadas hoje? O que a sua igreja pode fazer por elas?

O slogan usado por William Carey, o Pai das Missões Modernas, “Espere grandes coisas de Deus; faça grandes coisas para Deus”, ainda é tão relevante e desafiador hoje como foi há 250 anos. Portanto, seja um instrumento para viabilizar o plano do Deus na Janela 10/40, no mundo islâmico etc. Sim, os muçulmanos e os não-alcançados precisam da graça do Pai. O Senhor nos chama para ser Seus instrumentos da criação e redenção em Cristo. Jesus disse: “E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim” (Mateus 24.14). Deixar os não-alcançados sem o Evangelho do Reino, como é o caso das tribos indígenas, os sertões do Nordeste brasileiro, o mundo budista, hinduísta e islâmico, é uma agressão ao plano mundial de Deus e uma violência à nossa vocação e missão. Mais de 2000 anos já se passaram. Até quando?

Fonte: Revista do Promotor de Missões (2011). Junta de Missões Mundiais da Igreja Batista Brasileira.


segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Dinâmica de Missões: Compreendendo a Mensagem


Dinâmica: Compreendendo a Mensagem

Objetivos: Compreender que a mensagem do “ide” é clara – e universal.
Materiais: Uma folha com o texto impresso, e espaço para a transcrição; canetas ou lápis.

Após reunir o grupo, distribua uma folha (pode ser metade de uma a4) com o seguinte texto impresso, e convide todos para, silenciosamente, tentar compreender e transcrever o texto em espaço reservado abaixo, na mesma folha.

3 D1553-LH3S: 1D3 P0R 70D0 0 MUND0, PR3G41 0 3V4NG3LH0 4 70D4 CR147UR4; QU3M CR3R 3 F0R 8471Z4D0 53R4 54LV0; M45 QU3M N40 CR3R 53R4 C0ND3N4D0.”

É provável que todos consigam “decodificar” a mensagem. Após conferir se todos conseguiram compreender, o líder realizará a leitura do referido trecho, e poderá dizer:
O nosso cérebro pode compreender com certa facilidade e quase automaticamente o conteúdo desta mensagem. Mas, e o nosso coração? Quando vamos entender que a ordem do “Ide” dada por Jesus neste versículo (Marcos 16:15,16), é uma ordem para cada um de nós? Que nenhum, repito, nenhum de nós está isento de dedicar-se com o seu melhor ao esforço missionário, seja indo, orando ou contribuindo, seja fazendo tudo isso ao mesmo tempo, o que é muito melhor.
Deixar algum tempo para reflexão e encerrar com uma oração rogando a Deus por avivamento do espírito missionário do grupo/igreja.


Sammis Reachers


terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Citações Missionárias: 365 imagens/frases para você baixar


 Um projeto que muito nos motivou, logo em fins de 2016 e início de 2017, foi a criação da página Citações Missionárias. A ideia era publicar, a cada dia e durante os 365 dias do ano, uma frase de reflexão/incentivo à obra de Missões. Deu trabalho criar as 365 imagens individuais, e ainda programar a publicação, no Facebook, de uma a uma. Mas valeu, o projeto foi concluído pela graça de Deus. 
Agora você pode baixar todas as 365 imagens com as frases, para usar como quiser! Basta Clicar aqui.

E o projeto continua, só que agora de forma semanal. Assim, a cada semana publicamos uma frase para sua reflexão. Curta e compartilhe!

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Projeto visa evangelizar 90 cidades sertanejas em 2018 - Inscreva sua equipe!



Movimento Nacional de Evangelização do Sertão Nordestino realizará 4 Congresso em Julho, e promove projeto para a evangelização de nada menos que noventa cidades do sertão nordestino.

Esperamos que 90 EQUIPES, de diferentes cidades do Brasil, trabalhem em 90 CIDADES do SERTÃO NORDESTINO, em julho de 2018. O alvo é fortalecer os pastores e as igrejas dessas cidades. Desejamos que essas equipes participem conosco do 4º Congresso Nacional.
INSCREVA SUA EQUIPE E VENHA PARA O 4º CONGRESSO NACIONAL DE EVANGELIZAÇÃO DO SERTÃO NORDESTINO.


Faça parte desse desafio você também! Diversas equipes já estão se mobilizando.
Monte sua equipe, escolha uma ou mais cidades e oferte a sua vida, por alguns dias, em prol do povo sertanejo. Deus tem sonhos com o Sertão, sonhos de lhes dá uma esperança e um futuro. Sonhos de vê-los sorrindo, saindo da escassez, e mandando embora todo jugo.
Porque sou eu que conheço os planos que tenho para O SERTÃO, diz o Senhor, planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro. Então vocês clamarão a mim, virão orar a mim, e eu os ouvirei. 
Jr 29:11-12

Maiores informações e inscrições:
88 9 98061674 - WhatsApp


quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Resenha de livro: O Folheto Falante


Quantas e quantas almas já não foram salvas através da ação de um folheto evangelístico? Por suas características de semente que se lança praticamente sobre qualquer terreno, muitas vezes não se pode conhecer os resultados e nem o alcance, em termos de pessoas e distâncias atingidas por aquele folheto. São inúmeros os testemunhos de conhecidos e anônimos servos de Deus que foram alcançados pela mensagem de salvação através de um simples folheto, o “evangelista que não dormita”.
Mas isso tudo é para falar de um interessante livro. Em O Folheto Falante (Edições Cristãs, 1997) o autor Orlando Arraz Maz relata as conquistas, apuros e peripécias de um folheto. Isso mesmo: de mão em mão, de vida em vida, acompanhamos o pequeno folheto por favelas e mansões, aviões e navios, lixões, hospitais, ruas e celas, em estórias que entrelaçam-se em cadeia de eventos cujo eixo é “um simples folheto de quatro páginas”.
Uma leitura agradável e edificante, que colabora para nos dar a dimensão real das largas possibilidades e oportunidades de ação das literaturas evangelísticas.  Isso é proveitoso ainda para renovar nosso ímpeto evangelístico. Seus capítulos curtos e o agradável estilo do autor permitem que o livro seja utilizado para instrução, edificação e inspiração de pessoas de todas as idades, inclusive nossas crianças.

 O livro pode ser adquiro no site da editora, AQUI.

Aproveitando: Para aqueles que desejam conhecer e/ou adquirir literaturas evangelísticas variadas, apresentamos em nosso blog Recursos para Evangelização uma ampla listagem. Confira AQUI.

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Go Mobilize: Manual para Mobilização Missionária disponível para download


O ministério Center for Mission Mobilization é, como seu nome diz, focado em promover a mobilização missionária. Um e seus manuais, o Go Mobilize, foi traduzido e disponibilizado em português.
Go Mobilize é um estudo para pequenos grupos projetado para ajudar os cristãos mundiais a se tornarem mobilizadores e aprender o que é necessário para iniciar um movimento missionário entre seus amigos, igrejas e famílias.
Os participantes aprendem como: Usar as Escrituras para mostrar aos outros o amor de Deus por cada nação, tribo, pessoa e idioma; Apontar aos crentes quais as pessoas e lugares que têm o menor acesso ao evangelho; Usar as ferramentas de mobilização  para discipular outros para a obediência ao propósito global de Deus
Você pode usar este livro em sua igreja, em um grupo pequeno ou mesmo em um relacionamento individual.

Conteúdo:
O que é mobilização?
Qualidades de um Mobilizador Eficaz
A Urgência da Mobilização
Mobilizando as Escrituras: a Palavra de Deus
Mobilizando para os não alcançados: o mundo de Deus
Mobilização de práticas estratégicas: o trabalho de Deus
Vá se mobilizar! Como começar.


Para baixar o manual em português, CLIQUE AQUI.

Há ainda outros manuais e recursos em português disponíveis.
DESCOBERTA - Seis lições para a mensagem, o Mundo e as Metas de Deus. Para baixar este manual, CLIQUE AQUI.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

MISSIOLOGIA: Você conhece a Janela Verde? Baixe o livreto informativo


O missionário coreano Joshua Chang estava numa conferência missionária na região amazônica quando escutou de um companheiro de ministério, um indígena, que ele ouvia bastante sobre a Janela 10-40 e que não se dava importância ao trabalho indígena no Brasil. 

Como um estrategista missionário que trabalha no empoderamento dos povos tribais, Joshua começou a pensar no questionamento do missionário indígena. Joshua está envolvido com o COMPLEI, Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas, que visa conscientizar os indígenas para alcançar outras tribos. Hoje esse movimento é conhecido como “Terceira Onda”. A Primeira Onda é definida pela ação dos missionários estrangeiros em nossa pátria. A Segunda Onda é conhecida pela ação missionária dos brasileiros ao exterior e a Terceira Onda é dos cristãos indígenas a outros povos indígenas. Os Congressos do COMPLEI chegam a reunir mais de 3.000 líderes. 

Joshua começou a estudar a situação apresentada pelo amigo indígena e descortinou a realidade de que os 2.200 PMAs, Povos Menos Alcançados da Terra, se concentram nas Florestas do Mundo: a Amazônica, a Africana e a Asiática. Estes 2200 povos tribais de 35 países estão a 23.5 graus Norte e 23.5 Sul da linha do Equador. Diante de tal quadro foi que ele, inspirado, deu o nome de JANELA VERDE. 

Ele viu que era hora da Igreja no mundo fazer um esforço para dedicar a evangelização destes povos. Sabemos que a tarefa mais difícil ficou para o fim e então é função da Igreja se voltar para o término da Tarefa da Evangelização Mundial, conforme Mateus 24.14. 

Ele se uniu a Steve Saint, outro estrategista norte americano de missões, que nos anos 50, com cinco anos de idade perdeu o pai Nate, que foi mártir com outros quatro colegas entre os Aucas no Equador. Steve, primeiro como missionário e depois como um piloto empreendedor na área de tecnologia, se dedica ao empodoramento dos povos tribais. Ele tem feito kits de saúde para  empoderar  os líderes dos povos tribais. Ele já fez o kit médico, dentário com broca a energia solar e oftalmológico com 250 óculos e todos cabem em uma mochila. Também fez um pequeno avião dirigido por GPS que pode levar medicamentos de emergência, com soro antiofídico que ao chegar no local deixa cair o invólucro.  Como um inventor para beneficiar os povos tribais desenvolveu o primeiro carro que voa. 

Em um Congresso no Paraná Chang, ele e eu fomos compartilhar sobre assuntos diferentes. Sabedor de que foi a Horizontes a pioneira a introduzir o primeiro artigo sobre a Janela 10-40 em português e todas as revistas do Movimento AD2000 e Além. A Janela 10-40 é a região do mundo que está a 10 e 40 graus acima da linha do Equador e onde se encontra 95% das pessoas menos evangelizadas do mundo. Nesta oportunidade fui convidado para me unir ao desafio para divulgar a visão. Como esta visão faz parte de nosso ministério, pois estamos envolvidos nessa região, aceitamos. 

Para tal tarefa Steve doou os direitos a Horizontes do seu livro “GREAT OMISSION” e o curso “MISSIONS DILEMA”. O curso tem o livro, vídeo e o guia de empoderamento dos povos tribais com o objetivo de conscientizar a igreja brasileira sobre a JANELA VERDE. Nosso primeiro desafio é produzir o livro GREAT OMISSION.  O livro está sendo traduzido e agora estamos buscando igrejas e amigos que invistam na produção com o objetivo de popularizar o assunto na Igreja Brasileira. Nosso alvo é de levantar R$ 29.000,00 para imprimir a primeira tiragem. Para alcançar o objetivo estamos convidando 40 igrejas que invistam R$ 500,00 e doaremos 50 livros quando impressos. Para complementar estamos buscando 180 parceiros que invistam R$ 100.00 e enviaremos cinco livros para compartilhar com amigos. 

Nosso alvo com a JANELA VERDE é conscientizar a igreja brasileira para aceitar o desafio de orar, recrutar obreiros, treiná-los e enviar a estes Povos Menos Alcançados da Terra. 

Baixe também o livrete em português THE GREEN WINDOW - A JANELA VERDE, de Joshua Chang, e que apresenta mais informações sobre este conceito e sua iniciativa. Para baixar CLIQUE AQUI.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...